Os seres desprezíveis observados por um universo condescendente

Mulher, não me morda! Não assim, sem aviso, sorrindo e marcando o meu corpo de uma forma que eu não possa mostrar! Eu sei das disputas por território e do quanto as mulheres conseguem ser possessivas, mas garanto não ser a maneira correta de me fazer permanecer ao seu lado.

Quando um homem faz marcas de amor, ele sabe que qualquer mulher sabe esconder, disfarçar, ou mesmo assumir com orgulho o valor de suas prendas, ao ponto de mexer com o controle mental de um apaixonado irreversível.

Para um homem, mulher, é muito mais difícil porque não se exibe livremente, precisa ser discreto para manter a respeitabilidade ante os seus pares, embora todos saibam dos sacrifícios aos quais se deixam tomar, que os torna humanos e falíveis. Não falam sobre isso jamais, porque as fraquezas precisam ser secretas, e todos aceitam as regras implícitas em mundo masculino forjado desde tempos imemoriais.

Hoje em dia, mulher, esses arroubos rebeldes que buscam mudar o que é sensato, sequer esperto, porque a mudança de rotina fará com que os homens sejam extintos, e a ausência de sexo oposto exterminará a vida como a conhecemos.

A submissão velada também acabará com a força esperada dos homens, criados para agir com poder e ser capaz de defender suas fêmeas das intempéries da vida! Virar esse fato comum levaria séculos, e por consequência aumentaria a possibilidade de término da vida humana eternamente.

É um jogo que está em pleno vigor, com perdas de ambos os lados e confusão mental e física de ambos os lados. Quem estaria manipulando os cordões e brincando com uma raça cujo destino parecia traçado por séculos e séculos, e agora simplesmente apresenta falhas terríveis, enganos irremediáveis e crenças inicialmente absurdas!

Não há fim de verdade. Há mudança de regras e extermínio de iguais, maiorias dizimadas pela vontade das minorias, mudando o que antes era correto, a vontade de muitos sendo desrespeitada pelo desejo de poucos.

O pensamento seguinte é como a existência dessa raça seguirá, ou não, surgindo uma nova raça para habitar por séculos o mesmo ambiente natural, com estilos diferentes, até que um novo final se torne necessário, e novos grupos com novas ideias destruam insensivelmente a história para iniciar um novo período em um canto qualquer de um universo silencioso e impassível, esse sim imortal, inacabável, observando com olhos gelados o poder de consumir a si mesmos desses seres desprezíveis.

                    Marcelo Gomes Melo

Das razões além do alcance do cérebro

O tempo está sendo reconfigurado, tanto quanto o planeta, e os sinais dessa reconfiguração têm ido além das palavras dos futurólogos ou das teorias da conspiração espalhadas aos quatro ventos, imiscuindo-se no histórico popular, fazendo-os debater até acreditar que os homens no poder conseguem o que desejam e sacrificam aos lotes para facilitar as próprias vidas, mudando o que se conhece como regra por novas regras, novos comportamentos, religiões e noção do que é certo e errado.

Homens cujo poder supera o dos políticos e reis, que trabalham de acordo com as suas ordens nos bastidores, garantindo-lhes um poder falsificado, apenas para os olhos dos plebeus comuns sujeitos às escolhas de quem verdadeiramente decide como irão agir e como o serão.

Novas rotinas criadas, modos de pensar e agir artificiais que aos poucos se transformarão em naturais, e a forma anterior de viver com seus escrúpulos será esquecida para sempre.

A maioria domada serve a uma minoria cruel e letal, que não se importam com o bem-estar, considerando que são peões em um jogo de xadrez, sacrificados por um bem maior que é a vitória dos que manipulam um planeta inteiro, inclusive a natureza.

É nesse momento que surgem as dúvidas de alguns. Realmente conseguem dominar a natureza, causando maneiras diversas de usá-la como poder de fogo e destruição para reconfigurar os seus reinos?

Serão as tragédias e doenças mortais todas criadas por eles para redução populacional, novos gêneros para conter a continuação do surgimento de mais pessoas, prejudicando as regalias em um mundo caótico e doente? Ou a arrogância com a qual costumam agir não os permite notar que a reação do planeta pode ser tão potente que os destruirá a todos a qualquer instante, porque não podem ser contidas pelos artifícios produzidos por meros mortais surgidos século após a sua ancestral existência?

E se acontecer, o planeta vivo pode resolver dizimar os vírus que tanto mal lhes causam fazendo um recomeço sem essa raça maldita, destruidora e letal? A conferir.

                    Marcelo Gomes Melo

O poder exercido além túmulo

Tudo o que eu queria nessa festa sem fim era encontrar o antídoto para a imbecilidade humana, inerente à grande maioria, estimulada pelos canalhas que não se importam com vidas humanas e as manipulam conforme os seus desejos mais vis.

Sim, é nessa festa insana em que cantarolam desafinados batendo palmas para louco dançar que as grandes negociatas acontecem, e os responsáveis, idosos bem vestidos, cercados por assessores e guarda-costas saboreiam bebidas alcoólicas de qualidade e charutos cubanos originais, cuja fumaça os encobre e transforma em seres irreais, capazes de tudo para satisfazer aos seus fetiches malucos, que giram em torno do poder que só o dinheiro dá de decidir sobre a existência de outros, usando-os como cobaias, pressionando-os pelos seus pecados, explorando as suas fraquezas e finalmente destruindo-os quando todo o sumo da vida for consumido impiedosamente.

Um penetra nessa festa pobre cujo poeta há tempos se referiu de forma clara e debochada, ironizando e escancarando a grande hipocrisia que sobrevoa a vida dos signatários ingênuos, inúteis e desprezíveis como uma enorme nave espacial cobrindo o sol do meio dia, trazendo mentiras, verdades e outros artigos negociáveis, em que a moeda de troca serão os que vivem um dia de cada vez, sem ambição, aceitando o que decidirem para eles como cordeiros rumo ao abate.

A moeda de troca serão os ambiciosos covardes, capazes de vender corpo e alma em troca de migalhas que os farão pisotear os seus pares um degrau abaixo, e, arrogantes, esquecerão de que serão a próxima lenha a reacender o fogo que aquecerá as lareiras dos impiedosos, que mesmo vivendo muito não abrem mão dos benefícios do poder, querendo carrega-los no caixão para continuar a exercê-los do túmulo, habitantes do além, candidatos a um inferno no qual pretendem comprar uma cabine com ar condicionado e continuar a negociar com o diabo boas condições. São os sem noção ou os ambiciosos acima das leis divinas?

                    Marcelo Gomes Melo

Um abutre corroendo corações eternamente

O sagrado e o profano que habita em você, concordam em criar um equilíbrio que lhe mantenha como um cidadão comum, incapaz de pecados ferozes, arrependido dos erros pequenos que comete, vencido pela tentação, a quem culpa, ajoelhado, choroso, implorando por perdão para manter a sanidade e seguir a sua vida comum irrisória, passando incólume pela visão míope dos seus pares, criando cinismo e hipocrisia até para julgar atitudes alheias, tomando por base informações superficiais de segunda mão sem que isso lhes cause más sensações.

O problema são os fatores externos, que os controlam sem dificuldade e os convencem a tomar como filosofia de vida culpar os outros pelas próprias falhas, acusar a qualquer um para manter a liberdade, sorrir como hienas, satisfeitas com os restos, prontos para manter a sua vida inútil, peças de menos valor no quebra-cabeças dos poderosos, satisfeitos com as migalhas que os deixam arrogantes como se valessem alguma coisa na fila do pão.

O sagrado então se afasta, e o profano se espalha livremente, fazendo de cada um inimigo do mais próximo, seja quem for, e para sobreviver é preciso fazer o que for preciso contra quem quer que seja, então destroem famílias, condenam parentes, abandonam o que lhes tornava seres humanos, transformando-se em demônios, escória fedorenta preenchem os cargos médios para prejudicar aos seus pares e rastejar para os seus superiores e ganhar um afago humilhante e cruel.

Agora vítimas completas do profano que cresceu em cada milímetro dos seus seres, agem como zumbis, recebem e cumprem ordens, são cruéis para tentar apaziguar o vazio que sentem carregarão para sempre um abutre roendo os seus corações pela eternidade.

O nome disso é inexistência em vida, julgamento em curso e inacabável. Os produtores e testadores de todos os sofrimentos com os quais prejudicarão a humanidade. Sempre depois deles mesmos.

                    Marcelo Gomes Melo

O Julgamento Final ao alcance

Existe um determinado ponto em que nada mais importa para um ser humano. Sempre acontece, só difere do momento da vida de cada um. Viver é estar em uma enorme fila de prestação de contas, e até que chegue a sua vez, a sua existência vai sendo recheada pelas atitudes que escolheu tomar usando o livre-arbítrio, solicitando ao seu garçom particular, em pílulas, tudo o que lhe está destinado e até onde consiga suportar.

Nesse ponto crucial você passa a ser passageiro no seu próprio trem sem maquinista, rumo ao desconhecido, e é aí que descobrirá se há bônus para continuar errando, ou é o fim da caminhada, de vez em quando suave, de vez em quando terrível.

Importar-se com qualquer coisa é inútil e estúpido, as forças lhe abandonam, bem como qualquer resquício de autoestima e esperança. Quem paga para ver é porque está satisfeito com a tragédia e sem medo nenhum das consequências. E o que retira a ansiedade e liberta a insanidade por completo. O que acontecer será privilégio.

De braços abertos para alçar outros voos, com os dentes para fora e as carnes do rosto açoitadas por um vento impiedoso, a sensação é de um salto sem paraquedas em direção às respostas aos piores temores.

Chegam a esse ponto os despreparados, tontos, ingênuos, parte da leva de manipulados que apenas fizeram o que lhes mandaram, obedeceram ao que a maioria disse, incapazes de questionar até o espelho.

Esses são lenha para a imensa fogueira de eliminação do nível no qual se encontram; serão cinzas antes dos outros, piores do que os culpados por alguma coisa, hierarquicamente abaixo de todos pela inércia, pela covardia e isenção corrosiva. Desmerecidos pelo medo de tomar um lado, se beneficiar por qualquer coisa sem se comprometer com coisa alguma.

Esse é o ponto em que alma contesta o corpo, e o corpo, sem valor ou poder algum será dizimado como um péssimo receptáculo durante uma vida inteira, que pode ter durado muito ou apenas segundos, dependendo da capacidade de ouvir o coração e direcionar o cérebro para escolhas razoáveis, que valham alguma pena, no final das contas.

Tudo o que é certo é que o momento final se apresenta e só é possível assistir como a um filme o final determinado.

                  Marcelo Gomes Melo

Elemento imaculado

O elemento desceu a rua doze, esquina com a rua Aurora Boreal por volta de 24h00, passos largos, carregando uma sacola de feira, dessas de nylon, senhor. Estava um calor da fornalha do cão, e estranhamente ele trajava uma blusa com capuz, alaranjada, dava para ver daqui mesmo.

O quê? Sim, senhor, o elemento descia a ladeira que é a rua doze pelo meio, porque àquela hora não havia tráfego de automóveis, desviando das poças do terreno irregular. O desgraçado do prefeito foi reeleito três vezes prometendo asfaltar, mas dessa rua para baixo é tudo barro.

O que eu estava fazendo na rua? Fumando o meu cigarrinho no meu portão; a mulher não gosta que fume dentro de casa, e eu sou bobo, mas não sou burro não senhor, não quero arrumar perrengue com a dona da pensão.

Sabe o que, senhor? Essa hora, depois da chuva, a madrugada limpa a poeira do ar, é a última olhada antes de dormir o sono dos justos. Eu fecho o bairro, por assim dizer; o último par de olhos a detectar tudo o que está acontecendo no início da madrugada. Geralmente não acontece nada.

O senhor sabe que aqui todo mundo se conhece, nascemos, crescemos e vamos morrer por aqui. Se bobear tem um monte de ossadas de ancestrais enterrados nesses jardins das casas, gente que se fixou aqui como árvore. Ë brincadeira, brincadeira, essa história das ossadas, não leve a mal, me perdoe, é que eu sou muito engraçado.

Não, não conheço ninguém como o elemento, indivíduo diferente, alto, cabeça grande, braços longos… Nunca vi o moletom laranja pelo bairro. O time de futsal dos meninos é verde e vermelho. E aquela sacola… Posso dizer para o senhor dentro daquela sacola. O quê? Não sei, estava dentro da sacola, não pude ver.

O modo como o indivíduo carregava a sacola, com firmeza, cuidado, sem andar devagar nem correndo, um passo constante até o final da doze. É, ali mesmo; sob o poste ele parou na encruzilhada, olhou para os dois lados, indeciso, então pude ver. Sim, sim senhor! Vi com esses olhos que a terra há de comer! Era narigudo! Um narigudo trajando blusa de capuz laranja carregando uma sacola misteriosa. Foi isso mesmo. Pode anotar aí! Foi exatamente o que eu vi!

E então o quê? Ah! Ele pareceu se decidir e virou à esquerda, desaparecendo pela rua quinze, na escuridão. A rua quinze não tem asfalto e nem iluminação. O cabra desapareceu nas sombras.

Sim, foi só o que eu pude ver, por isso que estou contando para o senhor, autoridade policial. Tiros? Aqui?! Não, não ouvi nada, não. O homem? Só vi isso, do indivíduo, achei estranho. Fez nada não, senhor. Era praticamente um elemento imaculado.

                    Marcelo Gomes Melo

O ano da dor e da infelicidade

… Porque chegou um tempo em que as pessoas receberam um sobrenome igual, e esse sobrenome é sofrimento, no ano da dor e do desespero, em que o desamparo se espalhou e os seres pensantes estão sendo invadidos, dominados e destruídos pelos seres sem cérebro, só casca, que fazem e dizem absurdos contra uma muralha em tom abusivo, até que essa muralha desabe sobre todos.

O ano da dor infinita chegou de fininho, dando pequenos flashes do que estava por vir, e agora se instalou de verdade, semeando ódio, medo e uma confusão explícita, assustadora, mortal.

Ricos e pobres, fracos e fortes provarão do amargor que esse ano espalha e dissipa entre os poros. A constante provação mexerá com os seus cérebros e culminarão com a ruína dos seus corpos, exibidos desavergonhadamente como um meio de expressão impreciso e nocivo, revelando atitudes revoltantes e grosseiras tomadas como verdade, dissimuladas e vendidas como verdade, até serem aceitas como uma verdade imutável.

Os espelhos no ano da dor não refletirão a verdade, e os desatinados enxergarão em si mesmos um alguém diferente, não melhores, insanos. A cibernética ganhará força e as vítimas da tecnologia se sentirão nus e impotentes diante da falta do que os conduz.

Não haverá sequer pensamentos sensatos, porque estarão louvando a tudo o que é artificial, anulando-se como seres humanos, degradados pela pouca fé, afetados pela submissão a um sistema novo criado e comandado por velhas raposas que moldam a massa, e agora já podem decidir como querem os seus jovens; já podem eliminar os marginalizados, que agora são compostos pelos anteriormente corretos, soltando no mundo as ideias macabras dos marginais que agora subiram degraus, arautos do fim do mundo, gente que mata e morre sem noção do porquê, que eliminam por medo e costume, e são eliminados pelos que os incitaram a agir como abutres, sem âmago, sem disciplina, sem sentimentos. Os normais que sorriem e dizem as piores barbaridades demonizam porque foram demonizados, e agora caminham como zumbis, atirando os seus corpos em precipício infinito.

Tudo enevoado no ano da dor em que sofrimento virou sobrenome para todos os filhos de Deus! Uma lanterna fraca é a possibilidade de retomada da força, de colocar nos trilhos a máquina natural que está em fúria por tanto descaso e péssimo uso. Enfim… Toquem as trombetas aos de ouvidos moucos.

                    Marcelo Gomes Melo

Apenas pílulas do que virá

Nostalgia. Os facões se cruzam na escuridão, ossos partidos e gritos terríveis permanecem colados ao ouvido como uma trilha sonora inacabável. Os passos próximos ao pântano ficam mais incertos, o equilíbrio difícil. O fog. Fumaça gelada cobre o corpo, a capa e os cílios com fragmentos brancos, a luva negra que enverga a espada pede mais sangue para fertilizar as árvores anciãs que habitam o local desde o começo do mundo, e impassíveis observam os passantes desaparecerem sem o próprio sangue.

Nostalgia. O som cadavérico fluindo do fundo da garganta, os olhos sem vida mirando o além, os dedos ossudos apontando para a próxima vítima. As suas orações não lhe ajudarão nesse momento, garoto errado, você chegou ao ápice da inabilidade, nas profundezas de uma cidade pervertida, é hora de pagar o seu quinhão de pecados, e piedade é uma palavra inexistente nos livros dessas bandas.

A consequência dos atos e escolhas se lhe apresenta, não cabe a você desculpar-se. Chore sempre, o desespero está apenas começando. As lutas na escuridão com as armas de aço tilintam como taças de cristal, mas o vinho é muito mais viscoso.

Os membros separados dos corpos espalhados pela vala são como um quebra-cabeças, e quem conseguiu montar de forma decente carregou além da tumba o seu próprio Frankenstein. Destinados a vagar pelas noites sem lua e dias sem sol, não são vistos pelos vivos, assombram a si mesmo por não se enxergarem a si mesmos em qualquer espelho.

Essa insanidade não é real, é virtual, tente se convencer. Cavalgue sobre espadas afiadas e mergulhe nas brasas da fogueira imortal. A dor é uma sirene, enganando os seus estertores como se fossem vida, mas não o é, acostume-se. Reviver é impossível, sorrir, inviável, perecer, inevitável.

Concentre-se em sua taça de sangue, outubro acabou. Amanhã vista a roupa social e curta a ressaca, esqueça tudo o que sofreu até o ano que vem, nessa mesma data. Os outros dias lhe oferecerão apenas pílulas do que virá.

                  Marcelo Gomes Melo

Aquela mão quentinha e macia para segurar

O barato é que no sábado as asas se abrem e a rapaziada quer dançar e se divertir! Não há fim, estou lhe dizendo, só há começo e curtição. Um perfume mascarado, a roupa de batalha, cabelo no estilo pessoal, poses em frente ao espelho, balas de meta e chiclete.

A tarde se transformando em noite e o encontro com a tribo no local previamente aprazado, todo mundo ligado, planos para entrar em ação na pista de dança, preparada com talco, passos ensaiados, aquele olhar criminoso de amor feito para destruir qualquer possível resistência.

Os grupos, os cumprimentos personalizados, as bebidas e os esquemas de troca de olhares, cochichos e a coragem para colar na garota. Tomar uma tábua não era opção, então um esquenta na pista servia para chamar a atenção para o modo descontraído e divertido de ser. Deslizar  pela área de dança iluminada com destreza, sorrisos e batidas de mão concomitantes acompanhando as peripécias do DJ, piscadelas e toques que as meninas fingiam não ver, mas o sorrisinho desmentia completamente, e eram o encorajamento necessário.

Curta o balanço, chacoalhe a cabeleira, demonstre os seus talentos, comente com os amigos, analise as chances de se dar bem, a seleção de músicas lentas, românticas está para começar, noventa minutos seguidos sob luzes escuras para abraçar uma cachofra e sussurrar docemente em seu ouvido, convencê-la de que você é o melhor para beijar e curtir a madrugada juntos. E depois, quem sabe, algo mais.

Um dando força para o outro, ninguém sai sozinho; Jimmy Bo Horne ditando o ritmo, os oitenta tramam a movimentação da juvenília, só o que interessa é curtição monumental. É agora, moleque! Cruzar o salão de cabeça erguida, gingando perfeitamente, o coração aos pulos, o olhar confiante, caminhando em direção ao abismo ou da iluminação. Direto em direção da garota com a qual trocara olhares durante os balanços, um respirar fundo, um olhar 43 e o convite: vamos dançar? Quinze segundos de morte, a autoestima em jogo e… Sim!

Aaahhh! Aê, garoto, a noite está linda! Noventa minutos e o olhar de aprovação dos amigos, cada um partindo para buscar a própria chance, com maior ou menor timidez, mas todos decidindo o rumo de sua vida amorosa no fim de semana.

Nos oitenta era apenas isso que importava, cabano. Viver desesperadamente bem e superficialmente, aquela mão quentinha para segurar e a vida para detonar!

                    Marcelo Gomes Melo