Das razões além do alcance do cérebro

O tempo está sendo reconfigurado, tanto quanto o planeta, e os sinais dessa reconfiguração têm ido além das palavras dos futurólogos ou das teorias da conspiração espalhadas aos quatro ventos, imiscuindo-se no histórico popular, fazendo-os debater até acreditar que os homens no poder conseguem o que desejam e sacrificam aos lotes para facilitar as próprias vidas, mudando o que se conhece como regra por novas regras, novos comportamentos, religiões e noção do que é certo e errado.

Homens cujo poder supera o dos políticos e reis, que trabalham de acordo com as suas ordens nos bastidores, garantindo-lhes um poder falsificado, apenas para os olhos dos plebeus comuns sujeitos às escolhas de quem verdadeiramente decide como irão agir e como o serão.

Novas rotinas criadas, modos de pensar e agir artificiais que aos poucos se transformarão em naturais, e a forma anterior de viver com seus escrúpulos será esquecida para sempre.

A maioria domada serve a uma minoria cruel e letal, que não se importam com o bem-estar, considerando que são peões em um jogo de xadrez, sacrificados por um bem maior que é a vitória dos que manipulam um planeta inteiro, inclusive a natureza.

É nesse momento que surgem as dúvidas de alguns. Realmente conseguem dominar a natureza, causando maneiras diversas de usá-la como poder de fogo e destruição para reconfigurar os seus reinos?

Serão as tragédias e doenças mortais todas criadas por eles para redução populacional, novos gêneros para conter a continuação do surgimento de mais pessoas, prejudicando as regalias em um mundo caótico e doente? Ou a arrogância com a qual costumam agir não os permite notar que a reação do planeta pode ser tão potente que os destruirá a todos a qualquer instante, porque não podem ser contidas pelos artifícios produzidos por meros mortais surgidos século após a sua ancestral existência?

E se acontecer, o planeta vivo pode resolver dizimar os vírus que tanto mal lhes causam fazendo um recomeço sem essa raça maldita, destruidora e letal? A conferir.

                    Marcelo Gomes Melo