Tudo o que se fala quando não há o que dizer

Tempos, tempos, que se façam lentos, apenas para nos torturar com o falatório estéril de quem hoje atua, por conta de uma boa equipe de propaganda profissional, preparados para desvirtuar as ideias que deveriam ser valorizadas e instalar no poder os tortos de caráter, imbecis unidos sob a bandeira da mudança de normas e regras que beneficiam a enorme maioria, calando-os, dividindo-os e incutindo ideais absurdos, putrefatos e bizarros como o novo normal, controlando através da liberação de ações tétricas impensáveis, que farão definhar toda uma população, sem importância para os atoleimados que tiveram o cérebro lavado e dominado, cegos ante a realidade, ávidos por comentar sobre o que  desconhecem e a julgar imediatamente, parcialmente, sem dores de consciência.

Tempo, que não tenha pressa e assista ao massacre diário, rotineiro, defendido pelos que em breve serão vítimas, e, tarde demais, queimarão com os cérebros vazios, sem saber o porquê de seu sacrifício, já que fizeram tudo como lhes foi ordenado. Não vislumbrarão o erro, morrerão na escuridão na qual viveram.

O falatório aumenta, especialistas surgem do nada para opinar sobre nada, criando hipóteses nocivas e nojentas, sorrindo como imbecis durante o discurso prolixo, tão obscuro que se tornam incapazes de serem compreendidos.

Traduzidos pela mídia pérfida, comprada por moedas de ouro, desfrutam dos quinze minutos de fama e depois tentam viver desse momento fugaz, entrando em desespero quando não mais reconhecidos. Recusam-se  a acreditar no lixo descartável que são, e  procuram novos acordos espúrios para continuar palpitando, nem que seja para as paredes, fingindo uma erudição inexistente, porque reduziram a qualidade da formação para que desqualificados obtivessem credenciais sem nenhuma condição ou talento para exercer o que atestaram que poderiam. Vivem de enganar a si próprios com tanta convicção, que se tornam cegos para a mais simples realidade.

Um mero exemplo, para clarear as ideias: se a maioria não reúne condições intelectuais ou vontade para aprender um idioma, por que não criar um acordo no qual se corrompa o que é certo e valorize o errado? As pessoas desqualificadas automaticamente viraram experts, e as preparadas através do que é do que é correto e milenar se perderão, horrorizados, até desaparecer para o surgimento de uma sociedade morta e incapaz, caminhando a passos lentos para a profundeza dos infernos.

                    Marcelo Gomes Melo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s