Dois drinques

O homem vivia de impressões. Era a forma como ele levava a vida. Tinha a impressão de algo e bang! Seguia sem pestanejar; se estivesse certo, tomava um drinque e comemorava. Se algo desse errado… Dois drinques. Um para lamentar e outro para se refrescar e continuar a vida.

Jogo do bicho, loteria, bingo… Às vezes ganhava, mas, havia uma regra que a sorte impunha: jamais faturava muito dinheiro. No máximo conseguia um carro novo, a grana para dar de entrada… Uma vez ganhara o suficiente para quitar a casa, nada além disso. Nunca reclamaria da sorte.

Quando olhava uma garota e tinha a impressão de ter sido olhado de volta, erguia o copo e dava um sorriso. Geralmente bastava para um papo inicial, e a sequência definiria o período de duração e a intensidade do contato.

Nunca ser perguntara se todos procediam dessa forma durante a vida, se era uma filosofia comum seguida por todos, do sexo masculino ou não. Ele não era homem de perder tempo com os desígnios do universo, a existência era matematicamente simples. Em um dia estava vivo e no outro… Também.

Não percebia o tempo passar, tinha a impressão de que tudo se resumia a um longo dia com noites no meio, de vez em quando longas, outras vezes curtas, e mudanças no clima aleatoriamente. A humanidade não passava de um exército de bonequinhos de plástico sem vontade e sem arbítrio real, a não ser contra eles mesmos.

Com o passar do tempo as impressões ficam difusas, com um olhar através de uns óculos sujos, de um carro com o para-brisa quebrado. Talvez fosse um aviso de que o tempo podia ser cruel. Isso acendeu uma pequena luz vermelha no fundo do seu cérebro frio, serviu como um empurrão para que definisse o que desejava fazer definitivamente após a aposentadoria. Essa era uma impressão forte.

Sendo um homem simples não ficou impressionado, triste ou pressionado por essa constatação miserável, de tão óbvia. Tratou de partir para as decisões, ajustar-se para o tempo final de sua existência com alguma tranquilidade e dignidade. Decidiu rapidamente comprar uma pequena sala na esquina de uma universidade. Contratou dois funcionários, algumas máquinas de xerox… É isso mesmo, um homem que vive de impressões nunca muda.

Agora seria um executivo do ramo de impressões de papel.

                    Marcelo Gomes Melo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s