A praga

Vem trotando a inocência

Como um cavalo de raça

Ignorando a indecência

Que insiste em querer domá-la.

Os odores lhes pertencem

Os perfumes maravilhosos

Os calores, as enchentes

Tudo o que se lhe adore

Cavalga, cabeça erguida

Imune aos arroubos sensuais

Que a indecência indevida

Infiltra pelos umbrais

Tem apoio e proteções

Disfarçadas e até etéreas

Tem todas as disposições

Sem parecer ser tão séria

Enquanto a indecência, firme

Resiste com os seus grilhões

Atacando a inocência

Com milhares de tentações…

Marcelo Gomes Melo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s