Comigo é no iguana!

O professor se apresenta, dizendo o nome e a disciplina a qual lecionaria, e completa com a expressão: “Comigo é no iguana”. Em seguida, como era a primeira aula do ano e requeria esse procedimento rotineiro, os alunos, um a um passaram a apresentar a si mesmos, automaticamente concluindo com uma frase sobre cada um, um lema por assim dizer, seguindo o estilo do professor sem que fossem solicitados.

Os mais discretos nem comentaram, mas os curiosos quiseram saber o significado do “comigo é no iguana”, e levantaram a mão para perguntar. A resposta do professor foi de que tratariam daquele assunto após a apresentação de todos, o que seria mais lógico, pois assim quem o desejasse poderia comentar sobre o que mencionaram após o nome. Terminadas as apresentações, retornaram ao ponto de curiosidade: o significado da frase “comigo é no iguana”.

O professor, então, iniciou a explicação dizendo não ser nada misterioso, e que cada um poderia escolher e utilizar um lema de acordo com a visão de mundo pela qual fosse guiado. Apenas utilizara-se de um mote filosófico criado individualmente. Uma expressão que levava em conta o lagarto herbívoro conhecido por iguana como uma boa influência, com diversas qualidades intrínsecas.

Caso quisessem saber mais, os alunos poderiam pesquisar a respeito do réptil, mas destacaria os motivos pelos quais citara o iguana: quando jovens a cor verde prenominava e conseguiam mesclar-se ao ambiente, adaptando-se e tendo como um modo de proteção ficar praticamente invisíveis. É uma boa qualidade, às vezes, não se expor desnecessariamente.

Uma outra qualidade do iguana, cuja espécie tem 65 diferentes tipos, é que ficam imóveis avaliando uma situação; tão quietos e concentrados que podem indicar facilidade de ser capturado. E de repente, com uma velocidade incrível pode cruzar um rio afastando-se do que julga ser um perigo. O iguana adora tomar sol; é valente porque se acostuma a lutar sozinho desde cedo, pois não recebem como outras espécies qualquer auxílio ou assistência materna. Em caso de necessidade, impossibilidade de fuga, luta ferozmente contra quem o ataca, defendendo-se com mordidas e golpes de cauda.

Sendo assim, concluiu o professor, a expressão pode significar resiliência, coragem para sobreviver, talento para fazer parte da natureza com inteligência e respeito, força para autodefesa…

E além de tudo era um raio de um lagarto bonito, não acham?

                    Marcelo Gomes Melo

Entre a cantada e a morte

Ambos chegaram pontualmente à lanchonete na qual marcaram o encontro. Ele de calça de sarja bege, camisa polo listrada e sapatênis. Ela de vestido florido simples e sexy, pouca maquiagem e sandálias da moda.

Um cumprimento tímido, com direito a sorriso e um leve beijo no rosto (um risco alto na hierarquia do abuso). Dois refrigerantes, por enquanto. Ele tentava manter a calma e não suar como um porco. Ela parecia mais segura de si e tranquila.

Fora um parto conseguir aquele encontro. Levara meses ensaiando em frente ao espelho, pressionado pelos amigos que afirmavam que ela estava a fim, bastava um movimento dele. Então retrucava aos amigos, meio sem convicção: “se é isso mesmo, por que ela não toma a iniciativa?”, não existe mais isso de que o homem é quem deve convidar, é até cafona! E se ela se sentir ofendida e me acusar de misógino, machista, porco chauvinista e destruir a minha imagem pública no colégio e nas redes sociais, acabar com a minha vida, me transformar em um cidadão cancelado, atirado à margem da sociedade e sem opção de retorno pelo resto da vida?

A contra-argumentação era simples: você é um cara legal, não aparenta querer levar vantagem! Vai dividir a conta do cinema e da lanchonete, até do motel, se for o caso. Não falará sobre nada que lembre contato físico, não elogiará a roupa e muito menos olhará o decote! Se puder não cruzem os olhares. Converse olhando para a mesa e estará seguro.

E se ela achar que eu estou olhando para as pernas ou os pés dela? Posso ser denunciado como tarado! Use óculos escuros. Mantenha o capacete da bicicleta. Tudo acabará bem.

Ainda assim o convite foi feito indiretamente, sugerido por um casal de amigos de ambos. Passou noites e noites decorando o manual das garotas feministas; o que poderia ou não fazer, o que deveria ou não dizer.

Foi uma semana exaustiva. A felicidade de poder encontra-la, sufocada pelas regras de convivência do século XXI. Ainda bem que os óculos escuros impediriam que ela visse as olheiras. Hoje em dia era difícil lidar com uma pessoa do sexo oposto sem correr altos riscos de ser julgado e condenado por um mínimo deslize.

As garotas estavam no comando. Elas decidiriam se o rapaz merecia outra chance ou deveria ser queimado na fogueira da inquisição moderna das redes sociais.

Tudo correu razoavelmente durante o encontro. Ele tossiu bastante, gaguejou, tremeu… estava seguro por enquanto. Não pôde deixar de notar a beleza natural e a luz que emanava dela. Inteligente, linda e segura de si. E ele um mero verme covarde apaixonado, submetido às regras de um mundo ao qual não entendia, com medo primal de dizer à moça qualquer coisa lisonjeira.

No final do encontro, quando cada um pagou a sua parte e se preparavam para a despedida, a loucura se apossou dele! Um vírus incontrolável de agir como homem fez a sua garganta coçar e os seus olhos revirarem. Os seus joelhos baterem um contra o outro e um desespero que veio de dentro, e ele não conseguiu conter. Quando percebeu já havia dito, em forma de elogio:

– Você tem joelhos lindos!

– O que disse?!

Os olhos dele saíram da órbita e apertou o próprio pescoço com ambas as mãos. Não chegou a notar o sorriso afável e orgulhoso dela. Caiu estrebuchando no chão da lanchonete. A ambulância chegou, mas era tarde demais. Infarto. Morreu com 18 anos de idade. A causa: medo de amar.

                    Marcelo Gomes Melo

Imortalidade programada

Nos dias de hoje morrer vai além dos trâmites naturais, que são avisar aos parentes e amigos, cuidar da burocracia, ajeitar as coisas, saber das despedidas curtas, poucas pessoas em um velório simbólico, orações, consolo à uma distância segura, enterro e cópias da certidão de óbito para os que puderam aparecer para prestigiar, sem fazer parte do grupo de risco, obviamente.

Em seguida o isolamento de todo dia, as lembranças encapsuladas para poucas pessoas, aglomeração zero, se possível. Lide com a sua depressão e adquira outra como brinde.

Não é possível tentar seguir a vida, pois você está estagnado, preso virtual e presencialmente, interna e externamente, engolindo o choro, os gritos e as lamentações, pois ainda há muitos outros vivendo à beira do despenhadeiro emocional, e falar da perda pode acabar causando muitas outras.

E cabe muito bem lembrar de que a pessoa se foi, mas está eternizada nas redes sociais, e os perfis permanecem ativos, recebendo mensagens, textos, emojis de quem jamais a conheceu pessoalmente e/ou não sabe do acontecido.

Aos vivos, além de procurar o equilíbrio para continuar sobrevivendo  entre quatro paredes, sem espaço ou oxigênio suficiente, remoendo as dores, sorrindo o sorriso profissional e o sorriso digital, fingindo que a vida continua para quem está vivo, mesmo que não seja verdade, buscando forças onde não há, ouvindo teorias e acusações em um tiroteio sem fim, sem ter firmeza de caráter de ninguém, sem poder confiar em  ninguém, muito menos nos que se encarregam de espalhar oficialmente a verdade que os interessa.

A morte continua pairando nas redes sociais, e até que os perfis sejam deletados o cadáver sorridente parece vender a ideia de que a vida é bela e não há o que temer, pois todos os agentes virtuais são felizes, perfeitos e competentes. Todos ostentam e reagem à ostentação que acreditam enxergar em alguém que já esteja morto.

Os fantasmas da era da internet das coisas, e da internet dos corpos permanecem nas ondas sem fio mesmo após deletadas, com os restos de suas informações arquivadas pelos softwares das grandes corporações, que vigiam e preparam um programa de vida compatível com o status da pessoa, para controlar os seus hábitos e faturar com as informações obtidas.

Talvez não habitem algum arquivo morto digital, no qual permanecerão até que seja possível reativá-los e voltar a enriquecer com algo que eles, mesmo mortos, possam voltar a proporcionar, nunca se sabe; afinal o trabalho nunca para, e provavelmente estejam investindo em zumbis virtuais, para que os vivos invistam as suas posses na esperança de um retorno via holograma ou coisa que o valha.

Ninguém morre definitivamente mais, na Era dos desalmados milionários que transformam sentimentos em código binário, fé em programas quânticos preparados para lucrar e nada mais. Isso é futuro em doses letais.

                    Marcelo Gomes Melo

Os seres desprezíveis observados por um universo condescendente

Mulher, não me morda! Não assim, sem aviso, sorrindo e marcando o meu corpo de uma forma que eu não possa mostrar! Eu sei das disputas por território e do quanto as mulheres conseguem ser possessivas, mas garanto não ser a maneira correta de me fazer permanecer ao seu lado.

Quando um homem faz marcas de amor, ele sabe que qualquer mulher sabe esconder, disfarçar, ou mesmo assumir com orgulho o valor de suas prendas, ao ponto de mexer com o controle mental de um apaixonado irreversível.

Para um homem, mulher, é muito mais difícil porque não se exibe livremente, precisa ser discreto para manter a respeitabilidade ante os seus pares, embora todos saibam dos sacrifícios aos quais se deixam tomar, que os torna humanos e falíveis. Não falam sobre isso jamais, porque as fraquezas precisam ser secretas, e todos aceitam as regras implícitas em mundo masculino forjado desde tempos imemoriais.

Hoje em dia, mulher, esses arroubos rebeldes que buscam mudar o que é sensato, sequer esperto, porque a mudança de rotina fará com que os homens sejam extintos, e a ausência de sexo oposto exterminará a vida como a conhecemos.

A submissão velada também acabará com a força esperada dos homens, criados para agir com poder e ser capaz de defender suas fêmeas das intempéries da vida! Virar esse fato comum levaria séculos, e por consequência aumentaria a possibilidade de término da vida humana eternamente.

É um jogo que está em pleno vigor, com perdas de ambos os lados e confusão mental e física de ambos os lados. Quem estaria manipulando os cordões e brincando com uma raça cujo destino parecia traçado por séculos e séculos, e agora simplesmente apresenta falhas terríveis, enganos irremediáveis e crenças inicialmente absurdas!

Não há fim de verdade. Há mudança de regras e extermínio de iguais, maiorias dizimadas pela vontade das minorias, mudando o que antes era correto, a vontade de muitos sendo desrespeitada pelo desejo de poucos.

O pensamento seguinte é como a existência dessa raça seguirá, ou não, surgindo uma nova raça para habitar por séculos o mesmo ambiente natural, com estilos diferentes, até que um novo final se torne necessário, e novos grupos com novas ideias destruam insensivelmente a história para iniciar um novo período em um canto qualquer de um universo silencioso e impassível, esse sim imortal, inacabável, observando com olhos gelados o poder de consumir a si mesmos desses seres desprezíveis.

                    Marcelo Gomes Melo

Elemento imaculado

O elemento desceu a rua doze, esquina com a rua Aurora Boreal por volta de 24h00, passos largos, carregando uma sacola de feira, dessas de nylon, senhor. Estava um calor da fornalha do cão, e estranhamente ele trajava uma blusa com capuz, alaranjada, dava para ver daqui mesmo.

O quê? Sim, senhor, o elemento descia a ladeira que é a rua doze pelo meio, porque àquela hora não havia tráfego de automóveis, desviando das poças do terreno irregular. O desgraçado do prefeito foi reeleito três vezes prometendo asfaltar, mas dessa rua para baixo é tudo barro.

O que eu estava fazendo na rua? Fumando o meu cigarrinho no meu portão; a mulher não gosta que fume dentro de casa, e eu sou bobo, mas não sou burro não senhor, não quero arrumar perrengue com a dona da pensão.

Sabe o que, senhor? Essa hora, depois da chuva, a madrugada limpa a poeira do ar, é a última olhada antes de dormir o sono dos justos. Eu fecho o bairro, por assim dizer; o último par de olhos a detectar tudo o que está acontecendo no início da madrugada. Geralmente não acontece nada.

O senhor sabe que aqui todo mundo se conhece, nascemos, crescemos e vamos morrer por aqui. Se bobear tem um monte de ossadas de ancestrais enterrados nesses jardins das casas, gente que se fixou aqui como árvore. Ë brincadeira, brincadeira, essa história das ossadas, não leve a mal, me perdoe, é que eu sou muito engraçado.

Não, não conheço ninguém como o elemento, indivíduo diferente, alto, cabeça grande, braços longos… Nunca vi o moletom laranja pelo bairro. O time de futsal dos meninos é verde e vermelho. E aquela sacola… Posso dizer para o senhor dentro daquela sacola. O quê? Não sei, estava dentro da sacola, não pude ver.

O modo como o indivíduo carregava a sacola, com firmeza, cuidado, sem andar devagar nem correndo, um passo constante até o final da doze. É, ali mesmo; sob o poste ele parou na encruzilhada, olhou para os dois lados, indeciso, então pude ver. Sim, sim senhor! Vi com esses olhos que a terra há de comer! Era narigudo! Um narigudo trajando blusa de capuz laranja carregando uma sacola misteriosa. Foi isso mesmo. Pode anotar aí! Foi exatamente o que eu vi!

E então o quê? Ah! Ele pareceu se decidir e virou à esquerda, desaparecendo pela rua quinze, na escuridão. A rua quinze não tem asfalto e nem iluminação. O cabra desapareceu nas sombras.

Sim, foi só o que eu pude ver, por isso que estou contando para o senhor, autoridade policial. Tiros? Aqui?! Não, não ouvi nada, não. O homem? Só vi isso, do indivíduo, achei estranho. Fez nada não, senhor. Era praticamente um elemento imaculado.

                    Marcelo Gomes Melo

Eu não gosto de ninguém

Eu não gosto de crianças. Não gosto de adolescentes. Não suporto velhos, abomino jovens e odeio adultos. Eu não gosto de ninguém! Nenhum que seja da minha espécie.

Rotineiramente sou comum como qualquer outra pessoa, invisível aos olhos de qualquer um que caminha perdido nos próprios pensamentos, remoendo os próprios problemas e os de familiares próximos, com os quais não pode deixar de se envolver.

Invisível para os inocentes que sonham acordados fitando o céu no espaço entre os edifícios, acreditando em uma chance que mudará suas vidas, mas jamais acontecerá.

Eu conheço todos os da minha espécie, através de estudo sociológico amador. Os devedores, os presos às promessas que não podem cumprir, os invejosos que desejam o que imaginam que outros possuem, e sofrem sem ter a certeza.

Eu desprezo os possuidores, desconfiados com todos os que os cercam achando que querem rouba-los de alguma forma, por isso agem com rudeza e distanciamento. Acreditam que podem comprar qualquer um e descartar como lixo não-reciclável. Quero distância desses bandidos fúteis, corruptos sedentos por poder, assinando centenas de mortes por dia antes de almoçar, acabando com famílias antes do happy hour, saboreando uísque enquanto moradores de rua aumentam.

Detesto covardes. Os que se curvam ao destino e lamentam-se como velhas agourentas, transmitindo a culpa para o mundo. Ou os que entregam até o que não têm em nome de uma prosperidade unilateral que só chega aos palestrantes, religiosos ou de autoajuda, que só ajudam a eles mesmos sem nenhum remorso.

De vez em quando eu penso que se Papai Noel existisse o meu pedido seria um arsenal destrutivo para acabar indiscriminadamente com o sofrimento de todos. E então restaria apenas eu, sem ter a quem odiar, até que encontrasse um espelho.

                    Marcelo Gomes Melo