Sobre o envelhecimento precoce II – Coração de algodão

… Continuação

… Já os estudantes davam entre um e cinco centavos. A vida para quem estudava era difícil, à época. As profissionais do local gostavam de mim, por ser prestativo e ter um rosto triste, então a vida ficou bem mais suave. No meu aniversário de dezenove anos recebi uma festa! A primeira de minha triste vida! Um bolo Pullman de laranja com refresco Tang. Nunca havia comido algo tão gostoso ali! No quesito alimentos, claro.

Logo elas resolveram me adotar e me colocaram para estudar no supletivo durante a semana, e investir no ensino à distância, através de cartas no famoso Instituto Universal Brasileiro. O curso era de encanador. Com vinte e um tive um aumento e mudei de cargo, consertando todo o sistema de encanação do prédio, mas não deixava de fazer o mesmo serviço que sempre fiz para elas de ir comprar produtos de higiene íntima, remédios, tudo o que precisassem.

À medida em que o tempo passava, muitas foram se aposentando, outras sofreram destinos tristes… Com a mudança dos tempos resolvi deixar o emprego e fiz curso para papiloscopista. Mudei de área. Fui para o IML e tive a honra e a tristeza de receber diversas velhas amigas rumo ao desafio final.

Anos depois o prédio foi demolido e no local levantaram uma academia bastante iluminada, cheia de gente cuidando supostamente da saúde. Tenho vergonha de entrar. Quem convive comigo não consegue evitar de me tratar como tiozão do churrasco, embora eu muitas vezes seja bem mais jovem do que eles. Tenho as mãos de pedra e o coração de algodão, uma vida inteira convivendo com o sofrimento próprio e com o sofrimento alheio.

A arte de aprender com o mundo deixa marcas profundas. Ensinam que sempre há um lado bom nas pessoas que às vezes não aparece durante a vida toda. E tudo é válido, todos os seres importam, embora muitos não se importem.

                 Marcelo Gomes Melo

Perguntadora e o Senhor do Amor

–  Homem do amor… Homem do amor, você está aí? 

Não. 

Se não está, como respondeu? 

Se sabe que eu estou, por que perguntou? 

Eu pergunto o tempo todo. 

Eu sei, garotas perguntam o tempo todo. Mulheres julgam saber de tudo. 

Esse não foi um comentário machista? 

Qual? Você ser garota ou mulheres terem certezas? 

Oh! Só agora percebi que foram dois! 

Não pode contestar algo ao qual não se atentou. 

Pausa breve. 

  – Homem do amor… 

  – Oi. 

  – Por que lhe chamam assim? 

  – Assim como? 

 – Homem do amor, oras! Você é mais qualificado do que os outros, por acaso? 

  – Não. Apenas ciente das responsabilidades que isso traz. 

    – Quem lhe explicou? 

    – Ninguém, perguntadora, ninguém. Não costumo precisar que me expliquem nada. Descobri sozinho. 

    – Como? 

    – E de que forma seria, perguntadora? Tentativa e erro, claro. 

   – Isso deve ter lhe custado muito. 

   – Cicatrizes. Quem não as tem? Eu apenas guardo a consciência dos motivos para a existência delas. 

   – Então você é o senhor do Amor? 

     – Eu sou um senhor, com certeza. O amor tem livre arbítrio para causar incêndios ou apaziguar inquietudes. 

     – Tem alguma previsão para mim? Um conselho? 

Pausa longa. Silêncio pesado. Suspiro. 

     – Viva. Como puder. 

     – Só isso?! 

     – Isso é o bastante para alguém do seu tamanho, perguntadora. 

Marcelo Gomes Melo 

The Lady of losting loves

The Lady of losting loves 

Spreading my wings like an angel over the city 

Eyes on you lady of the precious dreams 

My effort is immense to keep distance 

You cover the distance way home 

What are you thinking about? 

My knife is my memory full of thorns 

The only angel in here, lonely as a detective 

Hearing jazz drinking wisk 

The roads doesn’t scare you 

Why? They are dark, there’s no light 

You don’t know about me on the edge of the town 

You don’t know about your life 

Lady of losting loves 

Wasting your time, tired 

You think about me, you love me 

And that keeps you shine 

But sadly you don’t have any clue why 

I am a solitary angel between worlds 

Waiting for you on an eternal mode 

     A senhora dos amores perdidos 

Abrindo minhas asas como um anjo sobre a cidade 

 Olhos em você senhora dos sonhos preciosos  

Meu esforço é imenso para manter distância  

Você percorre o caminho de volta para casa  

O que você pensa sobre? Minha faca é minha memória cheia de espinhos  

O único anjo aqui, sozinho como um detetive  

Ouvir jazz bebendo wisk  

As estradas não te assustam  

Por quê? Elas são escuras, não há luz  

Você não sabe sobre mim na periferia da cidade  

Você não sabe sobre a sua vida  

Senhora dos amores perdidos  

Perdendo seu tempo, cansada Você pensa em mim voce me ama 

E isso te mantém brilhando, mas, infelizmente, você não tem ideia do porquê  

Eu sou um anjo solitário entre mundos 

Esperando por você em um modo eterno 

Marcelo Gomes Melo 

Badalando os sinos que anunciam o fim

Sincero. Morto pela sinceridade desnecessária, patológica, aquela que passa a ser rudeza pura, desprovida de charme, o caminho para a perda de popularidade, a transformação em inimigo público número um, tipo desagradável que fala o que é dispensável, que muitos pensam, mas jamais ousam dizer, porque seria suicídio social.

Nojento. Daqueles assassinados pela frescura que irrita, a indisponibilidade para o mínimo de escrúpulo de esconder a enorme e desagradável atitude de não gostar de nada, reclamar e revirar os olhos, atrapalhando a paz do entorno de sua indelicada figura, que não gosta daquilo, odeia isso, não suporta assim, não aceita assado… A imagem da chatice por através de todos os poros.

Egoísta. Absurdamente voltado para os próprios desejos não interessa a quem tenha que destruir e atropelar para garantir as necessidades que só atendem a si mesmo. Trapacear, ludibriar, enganar não têm significados negativos, ao contrário, são qualidades cultivadas friamente, sem sabor, para não ter que dividir com ninguém mais. Nem com aquele ser estranho no espelho.

Cruel. De uma forma dolorosa. Com olhos oblíquos de maldade e sorriso de tubarão, salvando com a mera possibilidade de causar desconforto, ansiedade e estranheza contínua, transformando o ambiente para quem o cerca em terreno hostil. Sem caridade, sem empatia, dono de uma morbidez patética.

Letal. Pronto para afastar do caminho a quem quer que ouse, querendo ou não, ficar entre ele e o objetivo. Mira a todos como alvos descartáveis e não hesita em implodir mentalmente ou explodir descaradamente aos seus competidores. Não tem parcerias, não aceita e nem oferece ajuda. Expõe insensivelmente apenas para saborear o fim do opositor. Vive para degustar a dor. Um solitário capaz de se automutilar para sentir a emoção da morte de uma parte, mesmo que seja a sua.

Esse é o esquadrão de seres viventes que formam a maioria em uma sociedade decadente. Mentirosos que pregam o oposto do que são. Empatia são pílulas de veneno, as quais distribuem entre sorrisos falsos; bondade são balas de alto calibre que carregam as próprias metralhadoras para disseminar a dor escorregando em rios de sangue pegajoso e vermelho, enegrecendo à medida em que esfria.

O dom dessa época é destruição. Que não sobre ninguém, pregam os heróis do horror universal, mortos-vivos nocivos em uma paródia deles mesmos, badalando os sinos que anunciam o fim.

                    Marcelo Gomes Melo

Manter funcionando a roleta da paixão

Na estrada da vida, meu amor, o amor me autuou várias vezes, me encaminhou a uma prisão encantada e realizou o julgamento sem que eu tivesse direito a advogado de defesa. Eu era o réu, e as donas acusavam livremente, com os melhores advogados, paixão e crueldade, amigos da meritíssima juíza, que sempre agia parcial e ostensivamente.

O meu couro é de crocodilo, agora aguento as pancadas e não faço menção de me defender, derrotado antecipadamente pelos rumos que escolhi, seduzido, acalentado, usado e destruído completamente.

Não posso julgar injustiça, porque recebi diversos prêmios que a maioria dos homens sequer sonharia; tive coragem para ir além, baixei a minha guarda e entreguei corpo e alma, em um ringue perfumado no qual já entrava derrotado pelos prazeres que acumularia, enquanto aguentasse física e mentalmente.

As cicatrizes das minhas derrotas carrego em meu corpo, orgulhoso, machucados que guardam histórias inesquecíveis. A minha capacidade de amar se resume a sacrifícios e que enfrento sempre que sou fisgado como um peixe inocente que só pensa em saciar o desejo, assumindo possíveis perdas com dignidade, porque o ciclo nunca termina. Perde-se algo, recebe-se outro prêmio tão valioso quanto, e o caminho segue com o seu próprio tempo.

A minha carteira da paixão está corroída, sem mais espaços para multas, e sempre sou julgado culpado, à revelia ou não. Enfim, pago a minha dívida, devasto algumas garrafas de vinho do porto, durmo por dias, deprimido, e quando alguém abre a janela e o sol invade o meu quarto, o oxigênio novo e um café reforçado repõe as minhas forças e a vida recomeça. Troca a minha roupa, coloco os meus óculos de sol e passeio pelo parque com as mãos nos bolsos olhando a beleza da vida, descansando e tranquilo, sem pressa de cruzar o olhar com a próxima razão de viver com quem terei momentos incríveis enquanto durarem, e novamente crucificado, manterei funcionando a roda viva da paixão.

                    Marcelo Gomes Melo

Comigo é no iguana!

O professor se apresenta, dizendo o nome e a disciplina a qual lecionaria, e completa com a expressão: “Comigo é no iguana”. Em seguida, como era a primeira aula do ano e requeria esse procedimento rotineiro, os alunos, um a um passaram a apresentar a si mesmos, automaticamente concluindo com uma frase sobre cada um, um lema por assim dizer, seguindo o estilo do professor sem que fossem solicitados.

Os mais discretos nem comentaram, mas os curiosos quiseram saber o significado do “comigo é no iguana”, e levantaram a mão para perguntar. A resposta do professor foi de que tratariam daquele assunto após a apresentação de todos, o que seria mais lógico, pois assim quem o desejasse poderia comentar sobre o que mencionaram após o nome. Terminadas as apresentações, retornaram ao ponto de curiosidade: o significado da frase “comigo é no iguana”.

O professor, então, iniciou a explicação dizendo não ser nada misterioso, e que cada um poderia escolher e utilizar um lema de acordo com a visão de mundo pela qual fosse guiado. Apenas utilizara-se de um mote filosófico criado individualmente. Uma expressão que levava em conta o lagarto herbívoro conhecido por iguana como uma boa influência, com diversas qualidades intrínsecas.

Caso quisessem saber mais, os alunos poderiam pesquisar a respeito do réptil, mas destacaria os motivos pelos quais citara o iguana: quando jovens a cor verde prenominava e conseguiam mesclar-se ao ambiente, adaptando-se e tendo como um modo de proteção ficar praticamente invisíveis. É uma boa qualidade, às vezes, não se expor desnecessariamente.

Uma outra qualidade do iguana, cuja espécie tem 65 diferentes tipos, é que ficam imóveis avaliando uma situação; tão quietos e concentrados que podem indicar facilidade de ser capturado. E de repente, com uma velocidade incrível pode cruzar um rio afastando-se do que julga ser um perigo. O iguana adora tomar sol; é valente porque se acostuma a lutar sozinho desde cedo, pois não recebem como outras espécies qualquer auxílio ou assistência materna. Em caso de necessidade, impossibilidade de fuga, luta ferozmente contra quem o ataca, defendendo-se com mordidas e golpes de cauda.

Sendo assim, concluiu o professor, a expressão pode significar resiliência, coragem para sobreviver, talento para fazer parte da natureza com inteligência e respeito, força para autodefesa…

E além de tudo era um raio de um lagarto bonito, não acham?

                    Marcelo Gomes Melo

Ermitão urbano: falsa modernidade

Eu não sei andar de bicicleta. Eu não sei dirigir automóveis. Não sei desenhar, não consigo pintar. Eu não sei velejar, não sei nadar, não sei cantar. Não sei dançar, nem lutar.

Posso continuar uma lista infinita das coisas que não sei fazer, não tenho noção de como discursar, não consigo vender, não sou bom em comunicar, jamais saberia consertar qualquer coisa, não entendo de física, matemática, química ou mecânica, não tenho prática em religião, sou incapaz de trocar um pneu, não sei jogar xadrez.

Eu diria com toda a certeza ser um inútil, dono de uma vida inútil e sem propósito. Não sei cozinhar, lavar, passar, costurar, fazer ou cortar unhas, fotografar, atuar, levar cãezinhos para passear. Não sei consolar, não consigo pedir nem oferecer. Estou trancado em um quarto minúsculo de um apartamento inexistente sem nada que me distraia. Não presto atenção, não tenho sonhos, não tenho imaginação.

Também posso citar milhares de coisas as quais não suporto: barulho, pessoas fracas, choronas ou chatas. Quem fala demais, mal-humorados, alegres demais, de maneira forçada, sem noção alguma da vida que levam, militantes de qualquer coisa, fanáticos, radicais, ingênuos, egoístas, idiotas em geral, julgadores, moralistas, arrogantes, hipócritas, mal educados, calculistas frios, seres rastejantes, obcecados, ambiciosos, corruptos, mentirosos, invejosos… Ou seja, a nata da sociedade atual.

Isso faz de mim um ermitão urbano, fácil de ser julgado por psicólogos amadores, cartomantes, leitores da mente, pastores, padres. Eles não gostam das pessoas fora dos padrões, indomáveis, incrédulos, que vivem pelos próprios regulamentos sem ferir nem incomodar a quem quer que seja.

Os chamados cidadãos marginais, que observam o universo, mas não dizem nada, sem interesse em interferir ou se deixar influenciar, não dividem as coisas que enxergam, não se importam com o dia de hoje, muito menos o de amanhã, e esquecem completamente o que já passou. Não escolhem refeições, não demonstram desejos por alguma coisa em especial pela qual economizariam. Nada de busca por status, nada de respostas-padrão, nada de resposta alguma. Sem perguntas, sem interesse, sem sentimento aparente. Descaso. Cansaço. Impaciência.

Essa rotina é real, vivida por muitos ao redor do mundo, os que vegetam à vista dos enquadrados nas normas de comportamento ideal para se tornarem cidadãos modelos de algo que sempre muda. Um organismo vivo que hipnotiza e mantém os acontecimentos girando eternamente, repetindo comportamentos, modas e expectativas.

Até que uma nave espacial gigante sobrevoa as grandes cidades, abduzem malucos e dão um choque de adrenalina para que a vida se repita, falsamente moderna, mais do mesmo, nada de novo no front.

                    Marcelo Gomes Melo

Entre a cantada e a morte

Ambos chegaram pontualmente à lanchonete na qual marcaram o encontro. Ele de calça de sarja bege, camisa polo listrada e sapatênis. Ela de vestido florido simples e sexy, pouca maquiagem e sandálias da moda.

Um cumprimento tímido, com direito a sorriso e um leve beijo no rosto (um risco alto na hierarquia do abuso). Dois refrigerantes, por enquanto. Ele tentava manter a calma e não suar como um porco. Ela parecia mais segura de si e tranquila.

Fora um parto conseguir aquele encontro. Levara meses ensaiando em frente ao espelho, pressionado pelos amigos que afirmavam que ela estava a fim, bastava um movimento dele. Então retrucava aos amigos, meio sem convicção: “se é isso mesmo, por que ela não toma a iniciativa?”, não existe mais isso de que o homem é quem deve convidar, é até cafona! E se ela se sentir ofendida e me acusar de misógino, machista, porco chauvinista e destruir a minha imagem pública no colégio e nas redes sociais, acabar com a minha vida, me transformar em um cidadão cancelado, atirado à margem da sociedade e sem opção de retorno pelo resto da vida?

A contra-argumentação era simples: você é um cara legal, não aparenta querer levar vantagem! Vai dividir a conta do cinema e da lanchonete, até do motel, se for o caso. Não falará sobre nada que lembre contato físico, não elogiará a roupa e muito menos olhará o decote! Se puder não cruzem os olhares. Converse olhando para a mesa e estará seguro.

E se ela achar que eu estou olhando para as pernas ou os pés dela? Posso ser denunciado como tarado! Use óculos escuros. Mantenha o capacete da bicicleta. Tudo acabará bem.

Ainda assim o convite foi feito indiretamente, sugerido por um casal de amigos de ambos. Passou noites e noites decorando o manual das garotas feministas; o que poderia ou não fazer, o que deveria ou não dizer.

Foi uma semana exaustiva. A felicidade de poder encontra-la, sufocada pelas regras de convivência do século XXI. Ainda bem que os óculos escuros impediriam que ela visse as olheiras. Hoje em dia era difícil lidar com uma pessoa do sexo oposto sem correr altos riscos de ser julgado e condenado por um mínimo deslize.

As garotas estavam no comando. Elas decidiriam se o rapaz merecia outra chance ou deveria ser queimado na fogueira da inquisição moderna das redes sociais.

Tudo correu razoavelmente durante o encontro. Ele tossiu bastante, gaguejou, tremeu… estava seguro por enquanto. Não pôde deixar de notar a beleza natural e a luz que emanava dela. Inteligente, linda e segura de si. E ele um mero verme covarde apaixonado, submetido às regras de um mundo ao qual não entendia, com medo primal de dizer à moça qualquer coisa lisonjeira.

No final do encontro, quando cada um pagou a sua parte e se preparavam para a despedida, a loucura se apossou dele! Um vírus incontrolável de agir como homem fez a sua garganta coçar e os seus olhos revirarem. Os seus joelhos baterem um contra o outro e um desespero que veio de dentro, e ele não conseguiu conter. Quando percebeu já havia dito, em forma de elogio:

– Você tem joelhos lindos!

– O que disse?!

Os olhos dele saíram da órbita e apertou o próprio pescoço com ambas as mãos. Não chegou a notar o sorriso afável e orgulhoso dela. Caiu estrebuchando no chão da lanchonete. A ambulância chegou, mas era tarde demais. Infarto. Morreu com 18 anos de idade. A causa: medo de amar.

                    Marcelo Gomes Melo

Imortalidade programada

Nos dias de hoje morrer vai além dos trâmites naturais, que são avisar aos parentes e amigos, cuidar da burocracia, ajeitar as coisas, saber das despedidas curtas, poucas pessoas em um velório simbólico, orações, consolo à uma distância segura, enterro e cópias da certidão de óbito para os que puderam aparecer para prestigiar, sem fazer parte do grupo de risco, obviamente.

Em seguida o isolamento de todo dia, as lembranças encapsuladas para poucas pessoas, aglomeração zero, se possível. Lide com a sua depressão e adquira outra como brinde.

Não é possível tentar seguir a vida, pois você está estagnado, preso virtual e presencialmente, interna e externamente, engolindo o choro, os gritos e as lamentações, pois ainda há muitos outros vivendo à beira do despenhadeiro emocional, e falar da perda pode acabar causando muitas outras.

E cabe muito bem lembrar de que a pessoa se foi, mas está eternizada nas redes sociais, e os perfis permanecem ativos, recebendo mensagens, textos, emojis de quem jamais a conheceu pessoalmente e/ou não sabe do acontecido.

Aos vivos, além de procurar o equilíbrio para continuar sobrevivendo  entre quatro paredes, sem espaço ou oxigênio suficiente, remoendo as dores, sorrindo o sorriso profissional e o sorriso digital, fingindo que a vida continua para quem está vivo, mesmo que não seja verdade, buscando forças onde não há, ouvindo teorias e acusações em um tiroteio sem fim, sem ter firmeza de caráter de ninguém, sem poder confiar em  ninguém, muito menos nos que se encarregam de espalhar oficialmente a verdade que os interessa.

A morte continua pairando nas redes sociais, e até que os perfis sejam deletados o cadáver sorridente parece vender a ideia de que a vida é bela e não há o que temer, pois todos os agentes virtuais são felizes, perfeitos e competentes. Todos ostentam e reagem à ostentação que acreditam enxergar em alguém que já esteja morto.

Os fantasmas da era da internet das coisas, e da internet dos corpos permanecem nas ondas sem fio mesmo após deletadas, com os restos de suas informações arquivadas pelos softwares das grandes corporações, que vigiam e preparam um programa de vida compatível com o status da pessoa, para controlar os seus hábitos e faturar com as informações obtidas.

Talvez não habitem algum arquivo morto digital, no qual permanecerão até que seja possível reativá-los e voltar a enriquecer com algo que eles, mesmo mortos, possam voltar a proporcionar, nunca se sabe; afinal o trabalho nunca para, e provavelmente estejam investindo em zumbis virtuais, para que os vivos invistam as suas posses na esperança de um retorno via holograma ou coisa que o valha.

Ninguém morre definitivamente mais, na Era dos desalmados milionários que transformam sentimentos em código binário, fé em programas quânticos preparados para lucrar e nada mais. Isso é futuro em doses letais.

                    Marcelo Gomes Melo

Danos colaterais e a imensa muralha do término

O ano de 2021 começou estranho como era de se esperar. As estações do ano trocadas, chuvas fortes arrastam bens materiais e vidas como se tivessem o mesmo valor. Danos colaterais, afirma a mídia, sem nenhuma credibilidade, um dos focos de corrupção que atuam como sustentáculo para as forças obscuras sobrenaturais que adquiriram o caráter e a honestidade dos mais altos mandatários, que venderam tudo a preço de banana e defendem uma mudança brusca de valores pessoais e coletivos, uma aceitação tácita às novas regras que apagam religiões do mapa, transformam gêneros humanos e os multiplicam, e apoiam a eliminação de bebês como forma de contenção da humanidade.

Todas as outras ordens são igualmente pensadas para a produção de um novo tipo de humanidade, controlado física e humanidade, dispostos a aceitar como natural as novas imposições e apoiar o chamado “novo normal”. Os jovens são um livro ainda mal escrito, facilmente transformados e convencidos, guiados para o caminho sem retorno planejado para eles sem contestar, acreditando, pela total falta de experiência anterior que algo melhor já houve, e os pais foram incapazes de repassar o conhecimento para eles. Agora estão morrendo por isso; adultos inúteis para a nova ordem universal, que tem sido projetada lentamente, como um carro com arranque de balsa, mal percebida pela população em geral, mas agora acontece velozmente, e interfere com indiferença na vida dos distraídos, dos acomodados, das vítimas em geral, a maioria a ser sacrificada para a solidificação de novos dogmas que irão reger as gerações com as mentes mais putrefatas de todos os tempos, ignóbeis seres incapazes de se importar sequer com eles mesmos, onde o egoísmo é parte do DNA, mas não tem tanta força para mudar o destino desses seres toscos que serão as novas gerações de escravos, alimento para o ódio e diversão dos poderosos ainda mais irracionais e cruéis.

Um ano iniciando, com destruição e hipocrisia, depois com a destruição dos hipócritas por uma casta ainda mais tacanha, que mata por indiferença, desmotivados e sem rumo, sem nenhuma autoestima e nenhuma qualidade visível ou oculta.

Agora, ladeira abaixo, um carrinho de rolimã sem freio descendo a ladeira sem asfalto, cheia de pedregulhos, chegando ao destino em frangalhos. Nem por isso se importam, são apenas danos colaterais necessários, pois o aumento de população desmedido passou a requerer mais do que medidas ditatoriais.

Morte simples, lavagem cerebral, abandono das leis de convivência em troca de uma nova vida mais obscena, mais indiferente, onde o final é aterrorizante e ninguém se importa.

É o ano em que nada importa, e tudo foi reciclado, todos foram reciclados perdendo o contato com a própria essência. Um novo mundo em que os que ficam são programados para durar menos, por isso leis não se aplicam. Tudo o que for bizarro e inaceitável será imposto goela abaixo.

Esse é o ano em que não haverá retorno. Todos seguirão em alta velocidade até se chocarem com a imensa muralha do término.

                    Marcelo Gomes Melo